Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Estudos Biblícos
Estudos Biblícos

10 Razões Pelas Quais Nossos Jovens Deixam a Igreja

Todos nós sabemos quem eles são: as crianças criadas na igreja. Eram as estrelas do grupo de jovens. Talvez tenham cantado na equipe de louvor ou lideraram o culto. E então… eles terminam o ensino médio e saem da igreja. O que aconteceu?

O top 10 de razões pelas quais estamos perdendo nossos jovens:

10. A igreja é “Relevante”

Você não leu errado, eu não disse irrelevante, eu disse RELEVANTE. Nós pegamos a fé histórica, 2 mil anos de fé antiga, a vestimos de xadrez e calças jeans skinny e tentando vender isso como “legal” para nos nossos jovens. Isso não é legal. Isso não é moderno. O que estamos entregando é uma imitação barata do mundo que fomos chamamos para evangelizar.
Como diz o ditado, “Quando o navio está no mar, está tudo bem. Quando o mar entra no navio, aí você tem problemas”.
Não estou me queixando sobre “mundanismo” como um bicho-papão pietista, eu estou falando do fato que nós bocejamos por causa da leitura de um texto bíblico de 5 minutos, mas quase tropeçamos ao correr para bajular uma subcelebridade ou atleta qualquer que faz alguma vaga referência sobre ser cristão.
Nós somos como bajuladores em potencial, apenas esperando que o mundo ache que nós somos legais também, tipo como vocês são, cara!

 

Nossos jovens conhecem o mundo real e a nossa pose de “olhe como somos legais como você” é facilmente ridicularizada. Em nosso esforço para ser “como eles” nós nos tornamos menos do que realmente somos. O pastor de meia idade tentando parecer que tem 20 e poucos não é relevante. Vista-o com calça jeans skinny e bote na sua mão um café, não faz diferença. Isso não é relevante, é comicamente clichê. No momento em que você tenta ser “autêntico”, você não é mais autêntico!

9. Eles nunca frequentaram uma igreja, para começo de conversa

De um berçário com tema de Arca de Noé, para um painel eletrônico de estádio de futebol no acampamento das crianças, das noites de pizza aos shows de rock, muitos jovens evangélicos foram mimados em uma estufa nem-tanto-igreja, mas nem-tanto-mundo. Eles nunca se sentaram em um banco de igreja entre pais de primeira viagem com um bebê agitado e um idoso com um cilindro de oxigênio. Eles não veem o caminho completo do evangelho por todas as fases da vida. Em vez disso, nós silenciamos a mensagem, aumentamos o volume do som e agimos surpresos quando…

8. Eles ficam espertos

Não é que nossos estudantes “ficam mais espertos” quando saem de casa, o que ocorre é que alguém os trata como sendo inteligentes. Em vez do nosso emburrecimento da mensagem, os agnósticos e ateus tratam nossos jovens como inteligentes e desafiam seu intelecto com “pensamentos profundos” de questionamentos e dúvidas. Muitas dessas “dúvidas” tem sido respondidas, em grande profundidade, ao longo dos séculos de nossa fé. No entanto…

7. Nós os enviamos desarmados

Sejamos honestos, a maioria das nossas igrejas está mandando jovens ao mundo vergonhosamente ignorantes de nossa fé. Como não poderia ser assim? Nós abandonamos o ensino básico das escolas dominicais, vendemos a atitude de “menos doutrina, mais atitude” e os incentivamos a começar a busca para encontrar “o plano de Deus para a vida deles”. Sim, eu sei que nossa igreja tem uma página de “em que cremos” no nosso site, mas é isso mesmo que tem sido ensinado e reforçado no púlpito? Eu tenho conhecido líderes de igreja evangélica (“pastores”) que não sabem a diferença entre justificação e santificação. Já conheci membros de conselho de mega-igrejas que não sabiam o que é expiação. Quando escolhemos líderes baseados em suas habilidades de atrair e liderar pessoas ao invés de ensinar a fé com precisão… Bem, nós não ensinamos a fé. Surpreso? E em vez da fé histórica e ortodoxa…

6. Nós damos porcaria como alimento

Você deu o seu melhor para transmitir a fé interior/subjetiva que você “sente”. Você realmente, realmente, quer que eles “sintam” isso também. Mas nunca fomos chamados a evangelizar nossos sentimentos. Você não tem como passar adiante esse tipo de fé subjetiva. Sem nada sólido para basear sua fé, sem nenhum credo histórico para amarrá-los a séculos de história, sem os elementos físicos do pão, vinho e água, a fé deles está em seus sentimentos subjetivos, e quando confrontados por outras formas de se “sentir bem” propostas pela faculdade, a igreja perde para outras coisas com um apelo muito maior à nossa natureza humana. E eles encontram isso na…

5. Comunidade

Você percebeu que essa palavra está por TODO LADO na igreja desde que a igreja seeker-sensitive e outros movimentos de crescimento da igreja entraram em cena? (Há uma razão e uma filosofia motriz por trás desses movimentos que está fora do escopo desse artigo). Quando nossos jovens saem de casa, eles deixam a comunidade de manufatura na qual passaram toda a sua vida. Com a sua fé como algo que eles “fazem” em comunidade, eles logo descobrem que podem experimentar “mudança de vida” e “melhoria de vida” em “comunidade” em vários contextos diferentes.
Misture isso com uma fé pragmática e subjetiva, e a centésima edição de festa com pizza na mega-igreja local não tem como competir contra escolhas mais fáceis e mais naturalmente atraentes de outras “comunidades”. Assim, eles saem da igreja e…

4. Eles encontram sentimentos melhores

Ao invés de uma fé externa, objetiva e histórica, nós estamos dando aos nossos jovens uma fé interna e subjetiva. A igreja evangélica não está ensinando os catecismos ou os fundamentos da fé aos nossos jovens, nós estamos simplesmente incentivando-os a “serem gentis” e “amarem Jesus”. Quando eles saem de casa, percebem que podem ser “espiritualmente realizados” e ter os mesmo princípios subjetivos de auto-aperfeiçoamento (e sentimentos quentinhos) de algum guru de autoajuda, de gastar tempo com amigos ou fazendo trabalho voluntário em algum abrigo. E eles podem ser verdadeiramente autênticos, e eles podem ter essa chance porque…

3. Eles estão cansados de fingir

No melhor do “sua melhor vida agora”, “todo dia é sexta-feira” do mundo evangélico, há um pouco espaço para depressão, conflito ou dúvidas. Deixe esse semblante de chateação, ou saia daqui. Jovens que estão sendo alimentados com uma dieta estável de sermões destinado a remover qualquer coisa (ou qualquer pessoa) que pragmaticamente não obedece ao “Maravilhoso plano de Deus para a sua vida” e são forçados a sorrir e, como uma antiga música os encoraja, a “baterem palmas” para isso o tempo todo. Nossos jovens são espertos, muito mais espertos do que acreditamos. Então eles proclamam uma mensagem que escutei bastante desses jovens “A igreja está cheia de hipócritas”. Por quê? Porque apesar de que nunca lhes tenha sido ensinado sobre a lei ou sobre o evangelho…

2. Eles conhecem a verdade

Eles não conseguem fazer isso. Eles sabem disso. Todo aquele moralismo de “seja gentil” que eles foram ensinados? A Bíblia tem uma palavra para isso: Lei. E é disso que nós os alimentados, diretamente, desde que os deixamos no berçário da Arca de Noé: Faça/ Não Faça. Quando eles ficam mais velhos começa o “Crianças de Deus fazem/ não fazem”, e quando adultos, “faça isso ou aquilo para ter uma vida melhor”. O evangelho aparece brevemente como algum “faça isso” para “ser salvo”. Mas a dieta deles é a Lei, e a escritura nos diz que a lei nos condena. Então, sabe aquela sorridente declaração de fé “ame a Deus e ame as pessoas”? Sim, você acabou de condenar os jovens com isso. Legal, né? Ou eles pensam que são “pessoas boas”, já que não “fazem” nenhuma das coisas que a sua denominação ensina que não pode fazer (beber, fumar, dançar, assistir filmes adultos), ou eles percebem que eles não atingem as próprias palavras de Jesus sobre o que é necessário. Não há descanso nessa lei, apenas um trabalho árduo que eles sabem que não estão aptos a cumprir. Então, de qualquer forma, eles abandonam a igreja porque…

1. Eles não precisam dela

Nossos jovens são espertos. Eles entenderam a mensagem que nós ensinamos, inconscientemente. Se a igreja é simplesmente um lugar para aprender ensinamentos de vida que os leva para uma vida melhor em comunidade… você não precisa de um Jesus crucificado para isso. Por que eles deveriam acordar cedo no domingo para ver uma imitação barata do entretenimento que eles viram na noite anterior? O pastor de meia idade tentando desesperadamente ser “relevante” para eles, seria engraçado se não fosse trágico. Como nós descartamos o evangelho, nossos estudantes nunca são atingidos pelo impacto da lei, dos seus pecados diante de Deus, e da sua necessidade desesperada da obra expiatória de Cristo. Certamente, ISSO é relevante, ISSO é autentico, e ISSO é algo que o mundo não pode oferecer.

| Autor: Marc Yoder | | Tradutor: Marianna Brandão

 

Vencendo os Ventos Contrários

Marcos 6.45-51

1. INTRODUÇÃO

Em 1996, um dos filmes de maior bilheteria foi o norte-americano Twister, de Jan De Bont. O filme apresenta um grupo de cientistas tentando descobrir a origem dos tornados. Nos Estados Unidos acontecem mais de 1000 por ano, entre os meses de abril a junho. Eles se formam na região central do país, devido ao encontro das massas de ar frio vindas do Canadá, com as de ar quente, da região do Golfo do México.
O tornado é o mais destruidor dos fenômenos atmosféricos – nenhum deles libera tanta energia e é capaz de causar tantos danos e medo à pessoa. O tornado gira a uma velocidade maior do que a do furacão, podendo atingir até 450 km/h. Costuma durar de alguns segundos a 20 minutos e como atravessa regiões terrestres, causa grandes danos físicos e materiais.
Os furacões, conhecidos também como tufões ou ciclones são fenômenos que acontecem somente no mar. Aqui, no Brasil, o que chega ao litoral brasileiro é apenas a borda externa de um furacão, com ventos acima do 60 km/h, provocando ondas de até 6m de altura.
No nosso texto básico, encontramos os discípulos de Jesus enfrentando um furacão em alto mar. E esse acontecimento tem muito a nos ensinar.

2. A VIDA CRISTA E UMA VIAGEM PELO MAR

Como um símbolo espiritual, o navio representa a vida de uma pessoa, a velejar ou singrar através das dificuldades, sujeito às tempestades e à destruição, em busca de um destino ou um porto seguro.
Um hino evangélico tradicional diz: “Nas tormentas desta vida Perto está a perdição! Aos incautos navegantes Quem trará a salvação? Resplandeçam nossas luzes Através do escuro mar! Pois nas trevas do pecado Almas podem naufragar!”
No versículo 45, lemos: Logo, a seguir, compeliu Jesus os seus discípulos a embarcar e passar adiante para o outro lado, a Betsaida, enquanto ele despedia a multidáo. A expressão embarcar e passar adiante para o outro lado sugere-nos: que a vida cristã é como uma viagem de barco (Sl.107.23-30); que a vida cristã é sempre para frente ou seguir adiante (Fp 3.13-14); e que a vida cristã tem um destino seguro ou o outro lado (Hb 13.14).O termo compeliu indica que Jesus agiu rapidamente. Os discípulos receberam uma ordem, uma determinação em caráter de urgência. Precisamos entender que Jesus sempre nos conduz a provações a fim de produzir o nosso crescimento espiritual.
 

3. A VIDA CRISTÃ É UMA VIAGEM CHEIA DE DIFICULDADES

O texto (v 47-48) nos afirma o tempo: “ao cair da tarde”; o local: “no meio do mar”; a natureza do problema: dificuldade para remar, pois o vento lhes era contrário.

Algumas lições importantes podemos extrair destes versículos:

- As dificuldades sempre acontecem durante a noite. - As dificuldades acontecem sempre no “meio” ou após grandes milagres. - As dificuldades levam-nos a pensar que estamos sozinhos e que Jesus não se importa conosco. - As dificuldades para se remar ou ir adiante na vida cristã estão simbolizadas no texto pelo vento: o vento lhes era contrário. É fácil compreender como, na Bíblia, o vento é usado ilustrativamente para muitas ideias de natureza espiritual, pois embora invisível, seus efeitos são perceptíveis. Positivamente, as ações do Espírito Santo são ilustradas como a de um vento (Ez 37.9; Jo 3.8; At 2.2). Porém, o vento contrário ilustra:
- Os terrores que perseguem a alma humana (Jó 30.15). - As iniquidades cometidas pelo povo de Deus (Is 64.6). - As falsas doutrinas (Ef 4.14). - Os juízos de Deus (Is 27.8). - A maldição do pecado (Os 8.7). - As falsas esperanças (Os 12.1).
 

4. A VIDA CRISTÃ É MARCADA PELOS MILAGRES DE DEUS EM MEIO ÀS DIFICULDADES

O texto nos ensina que Deus reserva grandes surpresas para aqueles que lhe obedecem. Há ensinos preciosos acerca do cuidado de Jesus para com os seus filhos:
- Jesus ora ou intercede por nós (Jo 17 e Hb 7.25). - Jesus vê a nossa dificuldade (v 48; Ex 3.7-8). - Jesus vem ao nosso encontro (v 48). Ele vem andando por sobre o mar; Ele vem no tempo certo; ele vem apesar de não ser reconhecido. - Jesus revela a sua verdadeira identidade no meio da dificuldade (V.50). Sou Eu ou Eu sou (Ex 3.14; Dt 32.39; Is 41.4). - Jesus entra em nosso barco e a tempestade cessa (Mt 8.26).

5. CONCLUSÃO

Concluímos esta lição afirmando que navegar é preciso. Apesar dos ventos contrários, Deus está conosco. A sua presença é o nosso alento. Precisamos nos desvencilhar, porém, de tudo aquilo que impede o nosso avanço.
Moody conta a história de dois bêbados que à noite se encaminharam para o local onde tinham amarrado o barco. Embarcaram e começaram a remar. Remaram durante noite inteira, sempre abismados porque não chegavam ao outro lado da baía. Ao amanhecer descobriram que não tinham desamarrado o barco. É o que anda fazendo muita gente que se esforça para ir adiante na fé cristã e não conseguem, pois estão presos ao mundo e ao pecado.
|  Autor: Pastor Josias Moura 
 ***************************************************************************
 
 
 
                             50 Diferenças Entre Pastores e Lobos
 
 
A Bíblia diz claramente que haverá uma grande apostasia nos últimos dias. Não haverá um grande reavivamento, como alguns lobos estão anunciando, mas, ao contrário, apostasia, a rejeição e o afastamento da sã doutrina bíblica. Eis o que diz a Bíblia:
'Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição.' (2 Ts 2:3)
O verso referido diz que chegará um tempo nos últimos dias quando os fundamentos da doutrina cristã serão contemporizados e derribados pela aceitação do erro e da heresia. Os homens esquecerão o ensino bíblico sadio.
Bem, estamos atualmente vivendo nesses dias! Estamos vivendo em dias de uma terrível apostasia da sã doutrina bíblica e dos valores de Deus. Adivinhe quem está liderando essa tendência para a apostasia. São os pastores que contemporizaram na fé e que realmente não estão nem aí.
Eles rejeitaram a sã doutrina e estão desejosos de agradar e de alcançar a aprovação dos homens. Não são como os bereanos, que diligentemente examinaram as Escrituras e que procuraram agradar a Deus.
 
Participando como membros dessas igrejas, estão todos os tipos de pessoas que rejeitam a sã doutrina bíblica. A Bíblia adverte:
'Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.' (2 Tm 4:3-4)
Estamos atualmente vivendo nesses dias quando os homens rejeitarão a sã doutrina. Não somente muitos que chamam a si mesmos de ‘cristãos‘ rejeitam a sã doutrina, mas também muitos que se atrevem chamar a si mesmos de ‘pastor‘.
Esses maus pastores causam grandes danos à igreja e já feriram muitas pessoas do povo de Deus. Os pastores têm poder; podem levar o povo mais para perto de Deus e torná-lo mais forte, ou podem fazer o contrário. Aqui está um versículo que ilustra esse fato:
 
O Apóstolo Paulo, nos traz uma Palavra de Alerta:
 
'28 Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue. 29 Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho; 30 E que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si. 31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós. 32 Agora, pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavra da sua graça; a ele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados. 33 De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestuário. 34 Sim, vós mesmos sabeis que para o que me era necessário a mim, e aos que estão comigo, estas mãos me serviram.' (At 20.28-34)
 
'E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de ladrões.' (Mt 21.13)
Esse verso tem um significado real nestes dias, à luz da crescente tendência à apostasia. Deus não quer que seu templo seja um covil de ladrões; quer que seja um lugar santo, ao qual as pessoas possam vir e humildemente adorar a Deus. Entretanto, os líderes religiosos o transformaram em outra coisa.
O versículo diz, "vós a tendes convertido" referindo-se ao fato que os líderes religiosos permitiram que o templo deixasse de ser uma casa de oração para se tornar um covil de ladrões. Deus também atribui a responsabilidade por essa mudança aos líderes religiosos, que deveriam ter mais discernimento.
Esse verso tem uma aplicação muito importante para hoje! Poucos pastores encaram seu trabalho com seriedade. A maioria está preocupada em buscar os louvores dos homens, jactando-se dos ‘grandes números‘ obtidos no último domingo, e outros estão enriquecendo e vivendo como ‘filhos do Rei‘.
Vejamos algumas das coisas que alguns homens que chamam a si mesmos de ‘pastor‘ estão fazendo nestes últimos dias de grande apostasia.

- Pastores que pregam sobre prosperidade.

Alguns desses ‘pastores‘ ensinam que Deus quer que todos os seus filhos sejam ricos e que uma pessoa somente adoece por falta de fé. São mundanos e extremamente interessados nos prazeres terreais. Observe-os enquanto falam e conte o número de anéis que têm nos dedos ao pedirem ofertas e dízimos para seus ministérios.
Muitos têm um salário altíssimo. Por favor, não me entenda mal. Não há nada de errado em um pastor receber um salário adequado. No entanto, quando o pastor torna-se milionário e vive em uma grande mansão com as ofertas recebidas do seu ‘rebanho‘, então é realmente um lobo mercenário interessado apenas em ganhar muito dinheiro. Pastores e lobos têm algo em comum: ambos se interessam e gostam de ovelhas, e vivem perto delas. Assim, muitas vezes, pastores e lobos nos deixam confusos para saber quem é quem.
Isso porque lobos desenvolveram uma astuta técnica de se disfarçar em ovelhas interessadas no cuidado de outras ovelhas. Parecem ovelhas, mas são lobos.
No entanto, não é difícil distinguir entre pastores e lobos. Urge a cada um de nós exercitar o discernimento para descobrir quem é quem.

Acompanhe agora comigo as 50 Diferenças Básicas entre Pastores e Lobos

1. Pastores buscam o bem das ovelhas, lobos buscam os bens das ovelhas. 2. Pastores gostam de convívio, lobos gostam de reuniões. 3. Pastores vivem à sombra da cruz, lobos vivem à sombra de holofotes. 4. Pastores choram pelas suas ovelhas, lobos fazem suas ovelhas chorar. 5. Pastores têm autoridade espiritual, lobos são autoritários e dominadores. 6. Pastores têm esposas, lobos têm coadjuvantes. 7. Pastores têm fraquezas, lobos são poderosos. 8. Pastores olham nos olhos, lobos contam cabeças. 9. Pastores apaziguam as ovelhas, lobos intrigam as ovelhas. 10. Pastores têm senso de humor, lobos se levam a sério. 11. Pastores são ensináveis, lobos são donos da verdade. 12. Pastores têm amigos, lobos têm admiradores. 13. Pastores se extasiam com o mistério, lobos aplicam técnicas religiosas. 14. Pastores vivem o que pregam, lobos pregam o que não vivem. 15. Pastores vivem de salários, lobos enriquecem. 16. Pastores ensinam com a vida, lobos pretendem ensinar com discursos. 17. Pastores sabem orar no secreto, lobos só oram em público. 18. Pastores vivem para suas ovelhas, lobos se abastecem das ovelhas. 19. Pastores são pessoas humanas reais, lobos são personagens religiosos caricatos. 20. Pastores vão para o púlpito, lobos vão para o palco. 21. Pastores são apascentadores, lobos são marqueteiros. 22. Pastores são servos humildes, lobos são chefes orgulhosos. 23. Pastores se interessam pelo crescimento das ovelhas, lobos se interessam pelo crescimento das ofertas. 24. Pastores apontam para Cristo, lobos apontam para si mesmos e para a instituição. 25. Pastores são usados por Deus, lobos usam as ovelhas em nome de Deus. 26. Pastores falam da vida cotidiana, lobos discutem o sexo dos anjos. 27. Pastores se deixam conhecer, lobos se distanciam e ninguém chega perto. 28. Pastores sujam os pés nas estradas, lobos vivem em palácios e templos. 29. Pastores alimentam as ovelhas, lobos se alimentam das ovelhas. 30. Pastores buscam a discrição, lobos se autopromovem. 31. Pastores conhecem, vivem e pregam a graça, lobos vivem sem a lei e pregam a lei. 32. Pastores usam as Escrituras como texto, lobos usam as Escrituras como pretexto. 33. Pastores se comprometem com o projeto do Reino, lobos têm projetos pessoais. 34. Pastores vivem uma fé encarnada, lobos vivem uma fé espiritualizada. 35. Pastores ajudam as ovelhas a se tornarem adultas, lobos perpetuam a infantilização das ovelhas. 36. Pastores lidam com a complexidade da vida sem respostas prontas, lobos lidam com técnicas pragmáticas com jargão religioso. 37. Pastores confessam seus pecados, lobos expõem o pecado dos outros. 38. Pastores pregam o Evangelho, lobos fazem propaganda do Evangelho. 39. Pastores são simples e comuns, lobos são vaidosos e especiais. 40. Pastores têm dons e talentos, lobos têm cargos e títulos. 41. Pastores são transparentes, lobos têm agendas secretas. 42. Pastores dirigem igrejas-comunidades, lobos dirigem igrejas-empresas. 43. Pastores pastoreiam as ovelhas, lobos seduzem as ovelhas. 44. Pastores trabalham em equipe, lobos são prima-donas. 45. Pastores ajudam as ovelhas a seguir livremente a Cristo, lobos geram ovelhas dependentes e seguidoras deles. 46. Pastores constroem vínculos de interdependência, lobos aprisionam em vínculos de co-dependência. 47. Pastores cultivam o aprisco, lobos criam armadilhas. 48. Pastores pacíficos, lobos agressivos. 49. Pastores Lideram o rebanho conjuntamente, lobos andam em bandos. 50. O verdadeiro Pastor dá a vida pelo rebanho, ao passo que o lobo não tem cuidado do rebanho, antes mediante o perigo as abandona a mercê das circunstâncias.

Advertências aos Pastores

Os versos seguintes são uma advertência aos pastores e líderes que não encaram o seu trabalho com a devida seriedade e que não estão comprometidos com o fortalecimento e a proteção da igreja de Deus:
'Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem diferença entre o santo e o profano, nem discernem o impuro do puro; e de meus sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles.' (Ez 22.26) 

A Bíblia continua:

'Contudo serão ministros no meu santuário, nos ofícios das portas da casa, e servirão à casa; eles matarão o holocausto, e o sacrifício para o povo, e estarão perante eles, para os servir. Porque lhes ministraram diante dos seus ídolos, e fizeram a casa de Israel cair em iniqüidade; por isso eu levantei a minha mão contra eles, diz o Senhor DEUS, e levarão sobre si a sua iniqüidade. E não se chegarão a mim, para me servirem no sacerdócio, nem para chegarem a alguma de todas as minhas coisas sagradas, às coisas que são santíssimas, mas levarão sobre si a sua vergonha e as suas abominações que cometeram.' Ez 44:11-13
 
Eles serão julgados com base em como executaram o seu trabalho. Hoje, entretanto, muitos pastores literalmente cometem abominação diante de Deus, rejeitando a doutrina bíblica e transigindo com o pecado.Deixe-me dizer-lhe que Deus o conhece bem, senhor pastor, e você responderá por isso! Responderá aqui na Terra e responderá na eternidade! Em seguida, temos dois versículos muito apropriados para estes últimos dias que antecedem o retorno de Jesus Cristo.
Estamos vivendo em dias de grande apostasia. Deus literalmente diz ‘ai de vós‘..., que encaram com leviandade sua responsabilidade e não cumprem com fidelidade o trabalho de pastor!
'Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o SENHOR. Portanto, assim diz o SENHOR Deus de Israel, contra os pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes as minhas ovelhas, e as afugentastes, e não as visitastes; eis que visitarei sobre vós a maldade das vossas ações, diz o SENHOR. ' (Jr 23:1-2)
 
Deus julgará suas más obras e sua contemporização! O julgamento que cairá sobre vocês será aqui na Terra e na eternidade. Observe o que ele diz no versículo 2, "... eis que visitarei sobre vós a maldade das vossas ações, diz o SENHOR".
Minha sugestão é esta: Se você não sabe encarar o trabalho de pastor com seriedade e não consegue realizar sua tarefa de uma maneira que agrada a Deus, então é melhor renunciar agora e procurar outro emprego! É uma coisa muito séria diante de Deus prejudicar, por meio do liberalismo, do mundanismo e da contemporização doutrinária, o povo que ele resgatou com seu próprio sangue.

Membros Cegos de Igrejas

Esta seção não é para os pastores liberais e que não têm o temor de Deus. É para as pessoas que participam como membros dessas igrejas e que apóiam esse tipo de pastor. A primeira coisa que observo é que muitos seguidores desses falsos pastores são eles próprias pessoas não-salvas.
Elas participam da igreja apenas para ouvirem palavras agradáveis, por razões sociais, ou para fazer contatos nos negócios. Esse tipo de pessoa merece um lobo transigente como pastor. Entretanto, existem algumas pessoas do povo de Deus que participam de igrejas em que o pastor é um dos tipos de personagem descritos neste artigo.
'Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes com razão o sofrereis.' (2 Co 11:4)
 
O povo simplesmente senta-se nos bancos e meneia a cabeça, vai para casa, mas volta na semana seguinte, para receber mais. Se você não é esse tipo de pessoa e seu objetivo é agradar a Deus e crescer em Cristo, sugiro que se afaste desse tipo de pastor.
Não os encoraje não lhes ofereça nenhum suporte financeiro, e não vá à igreja deles. Não deixe de ir à igreja, mas procure uma que tenha um pastor bom e que realmente ame a Deus.
E então, quem está cuidando de sua igreja, é o PASTOR ou o LOBO?
“Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores” (Mt 7.15)
Veja como deva ser a nossa postura em relação ao Senhor:
"Deus está no Trono, nós estamos aos Seus pés, entre nós e Ele, apenas a distância de um joelho"
Que Deus nos ajude a discernir entre o líder santo e o profano, em nome de Jesus, amém!
 
Autor: Jânio Santos de Oliveira
 
**********************************************************************************
 
 
 
 
As Tribulações do Crente
 
“Porque por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de Deus” (Atos 14.22).
 
         "Aqueles que se dedicam a Cristo como Senhor, e que um dia entrarão no reino do céu, hão de sofrer “muitas tribulações” ao longo do seu caminho. Por viverem em meio a um mundo hostil, têm que se engajar na guerra espiritual contra o pecado e o poder de Satanás (Ef 6.12; cf. Rm 8.17; 2 Ts 1.4-7; 2. Tm 2.12). Por outro lado, a vida verdadeiramente cristã é uma contínua batalha contra os poderes do mal. (1) Os que são fiéis a Cristo, à sua Palavra e aos caminhos da justiça, terão problemas e aflições neste mundo (Jo 16.33). Somente o “crente” morno ou de meio termo viverá em paz com este mundo (cf. Ap 3.14-7). (2) O presente mundo ímpio, bem como os falsos crentes, continuarão como adversários do evangelho de Cristo até quando o Senhor derrubar o sistema maligno deste mundo, na sua vida (Ap 19.20). Entrementes, a esperança do crente “está reservada nos céus” (Cl 1.5) e está “já prestes para se revelar no último tempo” (1 Pe 1.5). Sua esperança não consiste nesta vida, nem neste mundo, mas no aparecimento do seu Salvador para levá-lo para si (Jo 14.1-3. 1 Jo 3.2,3)” (Comentários da Bíblia de Estudo Pentecostal).
 
 
“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz paciência; e a paciência, a experiência; e a experiência, a esperança” (Rm 5.3-4).
 
        “Paulo alista “tribulações” como uma das bênçãos da salvação em Cristo. (1) A palavra “tribulação”refere-se a todos os tipos de provações que podem nos afligir. Isto inclui coisas como necessidades financeiras ou materiais, circunstâncias difíceis, tristeza, enfermidade, perseguição, maus tratos ou solidão. (2) Em meio a estas aflições, a graça de Deus nos capacita a buscar mais diligentemente a sua face e produz em nós um espírito e caráter perseverantes, que vencem as provações e as aflições da vida. A tribulação, ao invés de nos levar ao desespero e à desesperança, produz a paciência (v.3), a paciência produz a experiência (v.4), e a experiência resulta numa esperança madura que não decepciona (v. 5). (3) A graça de Deus nos capacita a olhar além dos nossos problemas presentes, nossa ardente esperança em Deus e a certeza garantida da volta do nosso Senhor para estabelecer a justiça e a piedade no novo céu e nova terra (1 Ts 4.13; Ap 19 – 22). Entrementes, enquanto estivermos na terra, temos o amor de Deus derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, a fim de nos consolar em nossas provações e trazer até nós a presença de Cristo (Jo 14.16-23)” (Comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal).
Autor: Pr Airton Evangelista da Costa